Sobre pesquisa e outras infâmias

Diário de campo de dois espectadores e um pródigo bucaneiro.

sexta-feira, julho 24, 2009

Uma Corda

Comecemos imaginando uma corda esticada. Ambos extremos suportando a qualidade elegante e angustiada de este objeto que implora para descansar.


Impressiona-me a capacidade humana de produzir cenas cotidianas que espelham seu íntimo. Uma corda esticada é, talvez, um dos eventos mais simples e antigos em que possamos pensar.

E por isso mesmo, um evento que tem o poder simbólico de esclarecer algum pedaço do que se denomina “vida em sociedade”.


Viver no meio de “outros” requer, no mínimo, uma dupla habilidade metodológica. Por um lado capacidade de observar o que as pessoas fazem e por outro, capacidade de inferir o porquê as pessoas fazem aquilo que fazem.


Todos os dias alimentamos a “ilusão da regularidade” que matou a galinha de Francis Bacon.

A imagem da corda espichada, tensa, nos revela alguns enigmas.


Do verbo latino “tendere” (despregar, tender) floresceu uma família exemplar de palavras como; tendência, tenda, tendão, tenso, tesão... E finalmente as palavras que aqui me interessam: intenção, pretensão, atenção, entendimento e contenda.Palavras estas que tem suas origens nos cultismos latinos entre 1140 e 1580.


Partindo de estas hipóteses etimológicas, imaginemos que cada um de nós, atores sociais – incluindo crianças, loucos, bêbados e principalmente comerciantes – Andamos pelo mundo com um ou vários pedaços de corda nas mãos procurando quem sujeite os extremos soltos...


Temos agora uma metáfora (corriqueira) que ilustra o funcionamento das nossas interações com o mundo.

As cordas sujeitas apenas por um dos extremos são frouxas. Não tonificam nossas relações com a sociedade. As cordas tensas indicam as expectativas confirmadas, nossa ligação com a vida humana, a reverberação da intersubjetividade.


Assim sendo, sempre teremos motivos para oferecer os outros extremos ao mundo, isto é, às outras pessoas ou instituições. Por isso a metamorfose do verbo “tendere”.


Quando pensamos ou imaginamos jogar nossas cordas ao mundo para alcançar algum fim dizemos que temos a “intenção” de... Ao final no sabemos se as pessoas ou instituições agarrarão os outros lados das nossas cordas. “Intenção” é uma tensão provável, uma promessa de tensão com o mundo.


Quando pensamos “a - priori” que nossas cordas têm os outros lados sujeitados pelo mundo, estamos falando de “pretensão”. Somos “pretensiosos” quando trabalhamos com a hipótese de que o mundo já aceitou nossos arremessos antes de tê-los feito. Por tanto, a “pretensão” é uma tensão presumida que se estabelece com as pessoas e as coisas.


Outro derivado do verbo “tendere” é a palavra “atenção”. Creio, por um lado, que quando se está atento também se está na expectativa de agarrar os extremos de outras cordas cuja tensão nos importa. Há que ter as mãos vazias para pegar cordas alheias. Há quem tem as mãos cheias das cordas do mundo e tem receio de lançar as suas.


Por outro lado quem alcança “entendimento” sobre alguma realidade segura de forma permanente o extremo de algumas cordas que o ajudam a levantar vôo.


E, por último, a “contenda”. Em que cada extremo esforça-se para arrastar o “outro”, às vezes até sua morte física ou simbólica. Neste caso, é causa de frustração para qualquer um dos "contendores" se um dos lados solta a corda.


Esta última palavra ilustra a qualidade e natureza das tensões alcançadas pelas cordas que lançamos e recebemos todos os dias, no mundo do trabalho, da família ou do convívio social...


Bons sonhos.


Eladio Oduber


PS: A todos meus queridos amigos e amigas cujo mútuo lançar de cordas não produz “contenção” nem “contenda” e sim contentamento (uma tensão do prazer e alegria próprias que faz vibrar o prazer e alegria do outro)

4 Comments:

Blogger judith said...

oi Eládio,que linda METÁFORA!!! Adoro saber que tenho pelo menos algumas cordas bem agarradinhas por meus amigos queridos. beijos e saudades judith

10:57 AM  
Blogger Bruno Jorge said...

Eládio, meu querido amigo, sua metáfora da corda me lembrou de uma coisa boa que se faz com cordas: redes.

Redes precisam de tensão, intenção e tesão.

Um abraço
Bruno Jorge,

3:49 PM  
Blogger Bruno Jorge said...

Eládio, meu querido amigo, sua metáfora da corda me lembrou de uma coisa boa que se faz com cordas: redes.

Redes precisam de tensão, intenção e tesão.

Um abraço
Bruno Jorge,

3:50 PM  
Blogger Federico said...

Genial Eladio, compartimos esa atracción por las analogías.
Será nuestro in-tento, versión occidental del zentao de ligar y relacionar: la cuestión es que casi nunca encuentro satisfactoria una explicación aisalda y directa, solo mediante símbolos y analogías parecemos poder comunicarnos mas eficientemente.
Parecen rastros de un pasado telepático.

un abrazo grande

9:00 AM  

Postar um comentário

<< Home