Sobre pesquisa e outras infâmias

Diário de campo de dois espectadores e um pródigo bucaneiro.

terça-feira, novembro 25, 2008

Anjos, xícaras, sacolas, sonhos

“Que coisa deliciosa é amarrar os cadarços dos sapatos”
Ana Cecília.
Sábado 23/11/2008, no meu quarto.


Depois fui tomar café da manhã com Cinthia, propositadamente escutando o “Cravo Bem Temperado” de J.S. Bach. Sentindo a impressionante autonomia do piano no barroco.

Cinthia, com uma xícara de café a metade do caminho, comentou que evita procurar chateações, por que elas chegam sozinhas. Da mesma forma, evita tirar o idealismo de quem quer que seja, por que com o tempo, ele vai embora também sozinho.

Idealismo juvenil. Orgulhamos-nos de tê-lo perdido. Assim, ficamos ex-fumantes, ex-militantes, ex-caminantes...

Estando em casa, minhas amigas idealistas não acreditaram quando souberam que eu não separo o lixo e que, ainda por cima, compro sacolas plásticas para jogar o lixo misturado.

Era isto que Augusto dos Anjos queria dizer com aquilo de “quebrar a imagem dos próprios sonhos”

P. Bourdieu e J. Habermas tinham razão quando, já na maturidade intelectual, depositaram suas esperanças de mudança social no idealismo da juventude politizada.

Uma juventude radicalmente idealista e politizada é alguma garantia de maturidade decente. Decência no sentido de pensar nas conseqüências de certos comportamentos.

Depois que as minhas amigas foram embora fiquei olhando para o lixo, olhei para as sacolas plásticas e pensei se meu idealismo não tinha ido embora, devagarzinho, misturado dentro daquelas sacolas.

Eladio

PS: para que as imagens dos sonhos da Eunice, Tâmara e Luiza demorem a quebrar.

Imagem: Eladio Oduber / Noite e Narguilé / acrílico sobre cartão / 2006

2 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Ah... em minha terra... lá o idealismo (المثالية) não existe. Todos sabemos que as coisas têm o seu tempo. Quão longo é o tempo das coisas (الوقت المخصص للأمور). Porém, as queremos agora (الآن)! Não esperamos. Vamos para a porrada o tempo todo... الله أكبر. Aos nossos olhos todas as nossas lutas são justas(الحرب العادلة). Pois, temos claramente a imagem da tirania (طغيان) que distancia o tempo das coisas do nosso. Idealismo é nada mais do que o espaço de tempo (مساحة للوقت) do florescer de nosso desejo (يتمنى) e a duração da luta (قتال) para satisfazê-lo. Eis a imagem (صورة) de nossos sonhos (أحلام). Parabéns (تهانينا) meu caro amigo (صديقي العزيز) pela reflexão saudosa (حنين التفكير).

9:18 PM  
Blogger Cinthia Oliveira e Eladio Oduber said...

Querido mestre Anthar, sua visita a nossa página me traz novamente o infinito salobre do mar de Salé. Nosso antigo porto. O cheiro calmo dos tabacos perfumados, o almizcle dos sonhos intermináveis e não terminados. Bela melodia que suas palavras tocam, quanto perdão eu preciso para recompor o não dito.
Seja bem vindo querido mestre. Estou com ganas das suas estórias. Com vontade de lhe agradecer eternamente pelas suas terríveis influências..."quaõ longo é o tempo das coisas" Obrigado por esta frase
Seu Eladio

10:54 PM  

Postar um comentário

<< Home