Sobre pesquisa e outras infâmias

Diário de campo de dois espectadores e um pródigo bucaneiro.

segunda-feira, agosto 28, 2006

Anacoreta

O peso da responsabilidade que a cultura anglo-saxã atribui aos indivíduos espalha algumas miragens ao longo das nossas curtas vidas.
Erich Fromm, por exemplo, tentou nos convencer de que é possível desenvolver o amor se o encaramos assim como um bom músico encara seu instrumento. Praticando diariamente, estudando e cultivando com paciência nosso talento que florescerá na mesma medida do nosso esforço. Em outras palavras; todo depende de nós...
Contrapondo-se a este otimismo individualista estão os sujeitos das estatísticas, que poucas vezes conseguem amar dessa maneira porque o peso do contexto familiar e social lhes retira toda calma e concentração para amar alguém como quem ama um instrumento musical.
Diante da falta de forças internas que um assalariado tem, depois de doze horas de trabalho e três horas de ônibus lotado, para amar ao seu amor serenamente, resta pensar que não é tão má idéia voltar a acreditar nas miragens da cultura anglo-saxã.
Quem sabe, acreditar nas ilusões de ótica ao mesmo tempo que as destruimos, respondendo emocionalmente ao mundo dos fins. Um exemplo: se seu chefe (do tipo Roberto Justus) quer lhe repreender porque você não completou aquela tarefa, você pode argumentar que falta nele algo de sensibilidade artística. Talvez você seja um funcionário impressionista. Paul Cezzane, por exemplo, expôs quadros em que os objetos não estavam totalmente terminados. R.M. Rilke diz que Cezzane tinha pintado algumas maçãs até onde ele conseguia conhece-las, o resto permanecia um mistério.
Então depende de nós transformar nossa qualidade de mercadorias e resgatar nossa natureza silenciosa de sujeitos esquecidos (isto minha amiga Lenise Sampaio sabe fazer bem)
As mercadorias imploram para serem amadas, por isso necessitam urgentes de ideologias. A coisa funciona assim: as mercadorias das vitrines necessitam do marketing para serem desejadas e nós necessitamos das mercadorias pelo mesmo motivo.
Depende de nós intensificar as relações com o mundo, com nossos amores incluindo nossos amigos. Voltar a sentir a purificação estética da existência do musgo como me ensinou Cecilia Oliveira numa noite estrelada.
Depende de cada um largar a presa. É isso que podemos apreender do anacoreta.
Anacoreta = lat. anachoreta = greg. anakhõrêtês = eu me retiro...
Já tinha aprendido com Jhon Seymur: que se não podemos ser totalmente auto-suficientes, pelo menos podemos fazer nosso pão”. Isto já eu faço...
Como não desejo ser anacoreta, amanhã vou me fixar intensamente nos olhos da Cinthia e repetir o velho adágio latino que é a antítese do pirata: “encontrei o porto, esperança e fortuna ADEUS”

Abraços a todos Eladio Oduber

Conferir: Manguel A. Lendo Imagens. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

Imagem:
Pimentera incompleta / Eladio Oduber, agosto 2005

PS:
Dedico este texto com carinho aos amigos João Paulo e Flavia.

7 Comments:

Anonymous Gabriel said...

Eládio, como sempre incisivo... Adorei.
Mas adoraria também ouvi-lo desenvolver as calamidades da política local. Esse processo penoso de escolher alguém pra nos representar sabe lá em que...
O que pensa a respeito?

9:27 AM  
Anonymous Anônimo said...

Eladio, vc faz uma puta declaração de amor, vc faz uma puta análise da força das circunstâncias sobre a nossa possibilidade de amar, e o cara vem e pede para vc falar de políticos? Quem é esse? Rapaz insensível. Incapaz de ver o musgo ou a maçã "no escuro". Desculpe, Gabriel. Não é pessoal, ok?
beijos meu lindo eládio

9:30 PM  
Anonymous Anônimo said...

ah, o anônimo é a lulu

9:31 PM  
Anonymous Liss said...

Anacoreta es la existencia
que de la mano,
sola, planea por la Tierra.
Herrante apasionada
que sin caballo
ni armada
deambula solitaria.
Y se pasea entre las gentes
mientras se ve
sin compañía
en un mundo abarrotado.
Anacoreta es mi existencia
aún viviendo entre personas
que dicen ser algo.

11:45 PM  
Anonymous Guilherme said...

Caro Eládio,

Ainda não faço meu pão, mas encontrei meu porto, tenho ainda esperança e, quiçá, fortuna em minha curta existência. Mas, agora, diante, da ponderação de R.M.Rilke, me pergunto: não serão somente as maças, mas tudo o que amamos não é tão só no limite do que podemos conhecê-las, inclusive nós mesmos? E quanto àquela parcela obscura do desconhecimento que motiva/incentiva nossa busca pelo ser porventura amado?
Ahhhh..... mas só estou divagando, perdoe-me... Vim aqui mesmo é para dizer que o seu texto, como todos os outros, está ótimo !!!
Um grande abraço !!!

11:25 AM  
Blogger Cinthia Oliveira e Eladio Oduber said...

Queridos. Gabriel, Luciana, Liss Mary e Guilherme.
Sou muito feliz de té-los como leitores e vendo cada comentário construido por vocês sinto como a iniciativa do Blog, que o dia 19 de setembre cumpre um ano, valeu a pena e muito. Por favor saibam que Cinthia e eu valorizamos ao extremo esses minutinhos que vocês dedicam a escreber essas palavras que para a gente são um balsamo

abraços a todos do Eladio

2:29 PM  
Anonymous Laila Maktuh, a irresistível anfíbia said...

rogo um imenso feitiço: perfumes de sândalo, murta e jasmim como anti-tentação do eu de tornar abstrato a si mesmo! contra todo sentar-se diante da vida! contra o todo contar e calcular tudo! contra as fortes exaltações das profundas depressões! contra toda hierarquia social transplantada para o universo! nenhum sujeito, no entanto quanto fazeres! vontade alguma é causa! pensamento algum causa pensamentos! anti-anacoretismo! tudo o que pode ser pensado seguramente é uma ficção!

12:25 AM  

Postar um comentário

<< Home